E o ponto de ônibus?
Andar a pé Blog

E o ponto de ônibus?

Christopher Herwig

Ando apaixonada pelas imagens do livro Soviet Bus Stop, do fotógrafo Christopher Herwig. Ele viajou milhares de quilômetros por países da antiga União Soviética e registrou esses pontos de ônibus incríveis e lindos que, em algum momento, fizeram parte do cotidiano desses lugares.

Christopher Herwig
Christopher Herwig
Christopher Herwig

Pontos de ônibus são essenciais para a mobilidade nas grandes cidades. Para quem anda a pé, então, nem se fala. Afinal, nunca se sabe quando vamos precisar deles para acelerar o trajeto.

No meu caminho de casa para o trabalho cruzo com diferentes modelos de pontos de ônibus. Todos deixam a desejar.

 

Papel com as linhas de ônibus que passam pelo ponto. Como se vê, é facilmente rasgável

Papel com as linhas de ônibus que passam pelo ponto. Como se vê, é facilmente rasgável

 

Esse é um dos "modelos" de ponto de ônibus mais arcaicos que existe em São Paulo.

Esse é um dos “modelos” de ponto de ônibus mais arcaicos que existe em São Paulo.

 

Essa é a versão mais moderna e bonita do tradicional poste de madeira fincado na calçada.

Essa é a versão mais moderna e bonita do tradicional poste de madeira fincado na calçada.

 

Esse ponto está bem detonado, sujo e com ferrugem. O local (em frente ao laboratório Delboni) merecia um ponto melhor.

A meu ver, um ponto de ônibus deve ser, primordialmente, funcional. Isso significa ter cobertura e informação sobre linha, horário e itinerário. Na maioria dos pontos pelos quais passei, falta algum desses itens.

Um pouquinho de beleza e design também não faria mal, claro. Pelo contrário, ajudaria a deixar as ruas mais interessantes. E uma rua mais interessante, certamente atrairia mais caminhantes e seria mais valorizada. Sem contar que esperar o ônibus em um lugar agradável faz o tempo passar mais depressa. Tem até pesquisa que busca provar essa teoria.

Olha só esse projeto que fizeram em Krumbach, uma cidade austríaca de mil habitantes. Convidaram sete arquitetos internacionais para criar pontos de ônibus com design. Eles se aliaram a escritórios de arquitetura local e desenvolveram os projetos para ajudar a incrementar o turismo. Há ideias muito interessantes e algumas que deixam a desejar no quesito funcionalidade.

 

Projeto: Vylder Vinck Taillieu

Projeto: Vylder Vinck Taillieu

 

Projeto: Rintala Eggertsson Architects. Do fundo deste ponto, é possível assistir a uma partida de tênis na quadra vizinha.

Projeto: Rintala Eggertsson Architects. Do fundo deste ponto, é possível assistir a uma partida de tênis na quadra vizinha.

 

Projeto: Rintala Eggertsson Architects. Essa é a quadra de tênis que fica atrás do ponto de ônibus

Projeto: Rintala Eggertsson Architects. Essa é a quadra de tênis que fica atrás do ponto de ônibus

 

Projeto: Sou Fujimoto

Projeto: Sou Fujimoto

 

Projeto: Smilijan Radic

Projeto: Smilijan Radic

Um projeto temporário feito em Paris também mostra que o ponto de ônibus pode ser um mobiliário urbano com muitas funções. Criado pelo designer Marc Aurel, a estação experimental funcionou durante cerca de um ano e era um grande ponto de ônibus pensado para ser um espaço multiuso. Havia máquinas para compra de bilhetes, espaço para ler livros com uma pequena biblioteca, bancos, informações sobre as linhas, uma iluminação que variava de intensidade de acordo com o período do dia, local para recarregar o celular, etc.

 

Estação temporária em Paris

Estação temporária em Paris

Acho que as ruas de São Paulo ganhariam muito se os pontos de ônibus da cidade fossem pensados com mais carinho, beleza e funcioalidade! #ficaadica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *